segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

O longo inverno

Não sei bem ao certo a razão disso, mas sinto que o longo inverno está acabando. Assim que descobri o vazio, que nada mais era do que ter adquirido a noção do quanto bancar o herói havia me custado; nada menos que a minha própria humanidade. Não que não tivesse ela dentro de mim, só não sabia mais como me expressar honestamente. Eu era apenas o que esperavam de mim, o que eu esperava de mim, mas no fundo não passava de uma casca vazia. Eu era a fortaleza onde os outros buscavam abrigo e inspiração. Porém, lá estava eu preso no calabouço, amordaçado e quebrado. E quando enfim escapei do calabouço eu era algo mais do que um ser humano, era dono de uma força de vontade indomável, mas ao mesmo tempo algo menos, como se o próprio sol e tudo considerado normal me queimasse. Então descobri que por mais que ardesse por dentro, querendo tudo que nunca tive de uma só vez, meu corpo e mente estavam exaustos. Tinha que aprender a ser humano, algo que ninguém deveria precisar fazer, e além disso precisava saber ficar em pé por conta própria, sem ao menos poder contar com a ajuda do meu corpo para tanto. Agora todo dia eu sento no meu trono como o rei das minhas terras e observo os últimos dias do meu longo inverno passarem um a um, perseverando diante de cada novo obstáculo que aparece no meu caminho, pois o verão um dia irá chegar e nesse dia vou me erguer, senhor de mim mesmo. Só preciso suportar o longo inverno e torcer para estar pronto quando a hora chegar.

2 comentários:

Anônimo disse...

Filho, fico feliz em saber que teu verão se aproxima. Já era tempo!
Fico me perguntando pq teu blog não é comentado e sei que muita o gente lê. Imagino que alguns tenham a mesma dificuldade que eu: pq é muito profundo, muito bonito, muito honesto, muito GRANDE...
Tenho um imenso orgulho de ti e tens o meu maior respeito!

Elizabete silva disse...

Onde perdeu este ser humano?
Por que deixou ele ir?